ÁGUA: O BEM QUE NORTEIA A NOSSA VIDA.

Apesar de o Planeta Terra  ser repleto de água, estima-se que apenas 0,77% estejam disponíveis para o consumo humano em lagos, rios e reservatórios subterrâneos. Vale destacar, no entanto, que essa quantidade não está distribuída igualmente. Existe locais onde esse recurso é considerado bastante valioso.

Em virtude dessa desigualdade de distribuição, em várias regiões ocorrem verdadeiros conflitos por água. Além da escassez, há  muitos lugares com problema de baixa qualidade do produto. A poluição causada pelas atividades humanas faz com que a água, embora disponível seja imprópria para o consumo. Estima-se que 20% da população mundial não tenham acesso à água limpa. 

Diante da importância da água para a nossa sobrevivência e da necessidade urgente de manter esse recurso disponível, surgiu o Dia Mundial da Água. Essa data, comemorada no dia 22 de março, foi criada em 1992 pela Organização das Nações Unidas (ONU). Decisão tem como objetivo,  ampliara discussão sobre esse tema tão importante. Nesta mesma data, também foi divulgada a Declaração Universal dos Direitos da Água, que é ordenada em dez artigos.

Veja os itens  dessa declaração:

Art.1º – A água faz parte do patrimônio do planeta.

Art. 2º – A água é a seiva do nosso planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 3º – Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados.

Art. 4º – O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos.

Art. 5º – A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art.6º  – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º – A água não deve ser desperdiçada nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização precisa  ser feita com consciência e discernimento, para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º – A utilização da água implica respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º – A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art.10º – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Como toda a população necessita da água para a sua sobrevivência, em julho de 2010, a Assembléia Geral das Nações Unidas declarou através da Resolução A/RES/64/292, que a água limpa e segura e o saneamento básico são direitos humanos. Sendo assim, a água de qualidade e o saneamento básico passaram a ser um direito garantido por lei. O uso racional e sua preservação são fundamentais para garantir qualidade de vida para a nossa geração e para as futuras. Faça uso consciente da água!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *