Apraxia de fala na infância e sua relação com autismo

Você sabe o que é apraxia de fala? Sabe qual relação ela tem com o autismo?  Leia o post completo e descubra mais sobre esse assunto. 

Imagine que você pensa em uma palavra, porém não consegue pronuncia-la por conta de uma falta de coordenação dos movimentos da boca. É isso que uma criança com apraxia de fala sente.

Apraxia de fala é um distúrbio motor da fala onde nossa mente tenta mandar os estímulos para os músculos da boca produzirem os sons, porém há uma espécie de “falha” no envio da mensagem do cérebro à boca e isso prejudica a formação das palavras.

Como identificar a Apraxia de Fala Infantil no meu filho?

Algumas características são comuns em quem tem AFI, preste atenção nelas:

  • Pausas longas entre os sons das palavras
  • Nem sempre diz uma palavra da mesma maneira
  • Dificuldade (motora oral) para comer
  • Compreende melhor o que ouve do que sua capacidade de falar
  • Tem mais dificuldade em dizer palavras longas
  • Dificuldade em ser compreendido quando fala
  • Costuma errar consoantes e vogais ao proferir sílabas e palavras.

Lembrando que para um diagnóstico certo é necessária a análise de um fonoaudiólogo.

Relação da Apraxia de fala infantil com Autismo

A apraxia de fala é considerada uma comorbidade comum no transtorno do espectro autista (TEA), mas existem diferenças entre elas. A apraxia de fala a criança compreende a linguagem, mas tem dificuldade em se expressar corretamente. Já no autismo, uma característica muito comum, é o atraso ou dificuldade no desenvolvimento da fala e de inicia/manter um diálogo. Estudos apontam que aproximadamente 65% das crianças no espectro podem apresentar a apraxia e 36,8% das crianças com o diagnóstico de apraxia também tinham autismo. Isso pode indicar uma correlação entre tais condições.

Tratamento

O tratamento de apraxia pode ser longo e necessita de uma continuidade. Podendo exigir várias abordagens, sendo elas: gestuais, proprioceptivas, auditivas e visuais. Além disso, os familiares, cuidadores e educadores devem contribuir com o processo terapêutico para melhorar o desenvolvimento da criança.

Fontes

https://bit.ly/2IFUBfK

https://bit.ly/2OIKk5K

https://bit.ly/2E7ke8v

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *