Únicos: A importância do esporte para o desenvolvimento de crianças autistas

Nesta primeira semana de janeiro o Globo Esporte PE fez uma série chamada Únicos. Ela possuí 3 episódios em que mostram exemplos de crianças que tiveram um desenvolvimento melhor graças ao esporte.

Em seu primeiro episódio a série aborda o que é o autismo, falando sobre as dificuldades de comunicação, de estabelecer interação social e comportamentos repetitivos. Além disso, ela aborda o mundo particular de cada autista, pois cada um tem características diferentes. Somos levados para dois exemplos: Igor Batista, 8 anos, filho do professor de judô Leonardo, e José Neto, 14 anos, um aluno de Leonardo.

José Neto, foi diagnosticado com autismo aos 8 anos e hoje vê o judô um esporte para socializar com as pessoas. O judô também ajudou a melhorar sua concentração. Ele interage bem com o tatame e já entende os comandos que são solicitados. Já Igor interage com o tatame do jeito dele, pode parecer solitário às vezes, mas só por estar entre as pessoas já é um grande avanço. Leonardo diz que Neto é o grande exemplo para Igor, pois seu desenvolvimento ocorreu muito rápido graças ao judô.

No segundo episódio da série somos apresentados às dificuldades de verbalizar emoções, sentimentos e dificuldades de executar tarefas simples. Através de terapias do movimento, como capoeira e futsal, as dificuldades podem ser superadas. Acompanhamos o exemplo de Luiz Felipe, conhecido como Lipe, o futsal e a capoeira melhoraram as funções motoras dele e hoje escovar os dentes já não é mais um desafio. Além disso, a linguagem e a interação social também foram desenvolvidas graças a essas atividades.

O mestre de capoeira, Cássio Lucena, professor de Lipe, é formado em educação física e especialista em atividade física adaptada. Cássio diz que a missão dele é ajudar as crianças através da capoeira.

Lipe teve uma preparação na capoeira, mas teve um encontro intenso com o futsal. O professor Homero Almeida diz que no futsal é necessário assimilar a coletividade do esporte, questões de desenvolvimento técnico do futsal, aceitar os amigos do time, entender as regras do jogo e aprender a lidar com fatores externos como: torcida, luzes da quadra.

 

Outro exemplo no futsal é Rute, 8 anos, para ela a quadra é um ambiente de evolução. A inclusão dela nas aulas é sempre bem aceita, todas as crianças acolhem Rute e isso fez com que ela se interessasse mais pelo futsal.

Thiago Toledo é especialista em atividades físicas para pessoas com autismo, dono do blog esporte e inclusão. Ele diz que o rótulo de autismo deve ser esquecido e o foco tem que ser trabalhar o que o aluno está precisando, pois não existem dois autistas iguais.

No terceiro e ultimo episódio, temos o exemplo do Júlio e sua relação com o surf. Nadja Meneses, a mãe de Júlio, diz que quando ele nasceu a primeira coisa que notou foi o atraso na linguagem e depois de coloca-lo na escola percebeu sobre o autismo e se informou mais a respeito.

Kadu Lins, Educador físico, diz que Júlio foi seu primeiro aluno autista e a evolução dele nesses 4 anos é notável. Júlio teve contato com vários esportes, mas a surf foi o que encantou ele. E nos acompanhamos seu primeiro contato com a praia e sua primeira onda.

 

 

Fonte:

https://bit.ly/2VF7VVG

https://bit.ly/2VEeckm

https://bit.ly/2VF8jDC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *